terça-feira, 31 de maio de 2011

Parabéns a você....Felicidades minha princesa. Te amamos




Hoje o meu tesouro faz 1 aninho. Como o tempo voa. Parece mesmo que foi ontem que fui para a maternidade. Vou-vos contar como foi esse dia:
Dia 29 de Maio, diverti-me imenso nesse dia. Era festa no Senhor da Pedra, em Gaia. Fomos até lá ver a feira que lá havia, comer um gelado. A minha barriga não me deixava andar muito bem, mas lá ia. estava com  quase 38 semanas. Mas sentia-me esquisita nesse dia, mas como já andava assim há já 1 semana, não estranhei. A sensação é um " remoer" no ventre, depois um cansaço muitooo grande, e uma sensação esquisita , no geral. Como sou madeirense, adoro o mar. Dá-me vida e estar longe do mar é muito angustiante para mim. No Senhor da Pedra ´estava um dia lindo, ouvir o mar...muito bom. Chegámos a casa e estávamos a ver um programa brasileiro em que o apresentador, Rodrigo Faro, imita a Lady Gaga e eu..parti-me a rir. Achei tanta piada. Gosto muito de apresentador, como actor também. Deixo-vos aqui o link do vídeo para verem ;) 


Foi um dia bem passado. Por volta da 1:00 da manhã, ia tomar banho e nem comecei pois começou a sair muito líquido.Era quente mas não doía. Jorrou mesmo. Deu-me um nervosismo e disse: Será? Mas com tanto líquido assim fui para o Hospital. O estranho é que não saiu mais, nem pus protecção nas cuecas nem nada. Quando a médica me observou ficou admirada com isso, estava seco e na ecografia não revelava perda de líquido amniótico. No CTG tinha contracções, então internaram-me para observação. Lá fiquei eu e do líquido nem sinal, nem dores tinha. No dia seguinte, explicaram-me que a placenta podia ter rebentado num sítio onde não dava para ver e o bebé estaria em sofrimento, por isso iam provocar o parto. Mesmo assim ainda estive todo o dia e a noite com contracções provocadas pela medicação que me deram, mas nada. No dia seguinte, dia 31, de manhã disseram que aquela medicação não estava a fazer o efeito desejado e que iam e levar para a sala de partos para rebentar a placenta. Imaginam a sensação de que vão a caminho da forca e não podem fugir? Senti-me assim. Eu sabia que aquela hora iam me buscar e estava super nervosa. As 16 h entrei na sala de partos,  mais propriamente, na sala antes do parto onde esperamos para fazer a dilatação, junto com uma rapariga e já lá estavam mais duas. Tiraram a primeira roupinha da minha bebé, levaram e a enfermeira veio com um instrumento pontiagudo e plic...rompeu a placenta e puseram-me uma fralda. É verdade...uma fralda..faz impressão mas depois com as dores que vieram, qual fralda, qual carapuça. Fiquei mesmo nas nuvens!! É que no parto provocado, não temos tempo para as contracções evoluírem, por assim dizer. Vêm logo as fortes, como caídas de pára-quedas. Ainda comecei a ouvir música relaxante que tinha levado no MP3, música dos Enya e outras mesmo relaxantes. Passados 5 minutos apetecia-me atirar com o Mp3 para longe, nem conseguia ouvir música, nem olhar para lado nenhum, só queria trepar, literalmente, a parede! Sim, não vou mentir..são dores horríveis mas não dava um pio..espremia-me, agarrava-me mas não gritei. A enfermeira nunca aparecia e eu já nem respirar conseguia. Entrei com a ideia de não pedir epidural, não queria mesmo mas....ao ver que não conseguia respirar tive medo de desmaiar então aceitei. Mas aguentei 3 horas com contracções de 1 em 1 minuto, fortes. Depois mais 4 horas com epidural até a minha menina nascer as 23:26. Eles estavam á espera da dilatação total mas a minha menina começou a dar sinais de que não estava bem pois os sinais vitais que passavam numa máquina começaram a baixar e eu e o meu companheiro chamámos a enfermeira e ela deu-me mais uma medicação para apressar e lá começou o trabalho de parto, propriamente dito. Como faltavam ainda 2 centímetros imaginam o que aconteceu: rasgado á mão. A minha força também não era muita e tiveram que usar ventosas. Na parte final, fiz tanta força que comecei a ver tudo a andar á roda, ainda disse: estou zonza", respirei fundo, fiz um esforço redobrado e a médica com toda a força com os braços em cima de mim, lá saiu a minha fofinha. Não a vi sair ( tenho tanta pena!) estava com os olhos fechados a fazer força, e levaram-na logo.Eu sei que ela não estava a respirar, pois demorou um bocadito até ouvi-la chorar, lá dentro, onde vestem o bebé. Depois vem a parte  em que senti tudo: cozer os pontos. Levei bastantes, dentro e fora e senti mesmo tudo, mas não queria levar mais anestesias. Trouxeram a minha bebé e era linda, linda. Com os olhos lindos, quis logo protegê-la, abraçando-a e assim ficou comigo, toda a noite. .Não posso me queixar do parto nem da assistência. Claro que nunca é um mar de rosas mas isso é normal. Quanto á maternidade do Hospital de Gaia, admito que fui para lá com medo, pois tinha lido coisas menos positivas, mas me enganei. Trataram-me bem e foram atenciosos. Por isso, futuras mamãs, quando ouvirem opiniões negativas sobre alguma instituição não fiquem com medo, porque tudo depende da equipa e também de nós próprias, da nossa atitude. Claro que existe negligência e temos de ter atenção a isso, aliás são as nossas vidas e dos nossos bebés, apenas não devemos ir para lá já com ideias formadas mas sim optimistas e depois claro, muita atenção :) AH é verdade, durante o parto havia música  que o Hospital coloca e na hora do nascimento a música que estava a dar foi esta:

Never gonna be alone - Nickelback


Felicidades meu tesouro!! Te amamos tanto. És a luz das nossas vidas e bendito o dia do teu nascimento.